Ammi-Bootstrap no Estudo da Interação
Genótipos por Ambientes em Soja

Maria Clideana Cabral MAIA[1]

 Natal Antonio VELLO[2]

Osmir José LAVORANTE[3]

Carlos Tadeu dos Santos DIAS[4]

Roland VENCOVSKY2

Maurisrael de Moura ROCHA[5]

Glauber Henrique de Sousa NUNES[6]

§         RESUMO: Esta pesquisa visou estudar a interação entre genótipos e ambientes (GxE) e a estabilidade fenotípica, com o auxílio da reamostragem bootstrap no modelo biométrico AMMI (Additive Main Effects and Multiplicative Interaction Model) para avaliação da produtividade de grãos de linhagens experimentais de soja. O material envolveu três populações obtidas de um dialelo parcial 4x4 quatro genitores tolerantes a insetos e quatro cultivares adaptadas. Da geração F3 a F11 foi praticada seleção entre progênies para produtividade de grãos e tolerância ao fotoperíodo. Foram conduzidos 24 experimentos aleatorizados em blocos com duas repetições subdivididas em conjuntos experimentais com testemunhas comuns, combinando as três populações e oito ambientes. Os ambientes (E1 a E8) combinaram dois locais (Anhembi, Areão), dois anos agrícolas (1999/00, 2000/01) e dois sistemas de manejo (controle intensivo de insetos ou CII e controle ecológico de insetos ou CEI). Concluiu-se que todos os genótipos das três populações foram classificados como estáveis, mas em graus variáveis. Foram formados quatro grupos de genótipos com diferentes níveis de estabilidade, tendo a soma dos dois grupos de estabilidade mais elevada incluído pelo menos 50% das linhagens e duas das três testemunhas; o ambiente E8 (Areão, 2000/01, CEI) foi destacado como de estabilidade máxima e os ambientes E1 (Anhembi, 1999/00, CII) e E3 (Areão, 1999/00, CII) como instáveis. O método AMMI com reamostragens bootstrap levou a resultados  mais detalhados do que os obtidos apenas com o método AMMI.

§         PALAVRAS CHAVE: AMMI-bootstrap; interação genótipo x ambiente; glycine max (L.).



[1] EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, CNPAT, Caixa Postal: 3761, CEP:  60511110, Fortaleza, CE, Brasil. E.mail: clideana@terra.com.br

[2] Departamento de Genética, Universidade de São Paulo, campus de Piracicaba – ESALQ/USP, CEP 13418-900, Piracicaba, SP, Brasil. E-mail: naavello@esalq.usp.br // rvencovs@carpa.ciagri.usp.br

[3] EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA FLORESTAS, Caixa Postal 319, CEP: 83411-000, Colombo, PR, Brasil. E.mail: osmir@cnpf.embrapa.br

[4] Departamento de Ciências Exatas, Universidade de São Paulo, campus de Piracicaba – ESALQ/USP, CEP 13418-900, Piracicaba, SP, Brasil. E-mail: ctsdias@carpa.ciagri.usp.br

[5] EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA MEIO-NORTE, CEP: 64006-220, Teresina, PI, Brasil. E.mail: mmrocha@cpamn.embrapa.br

[6] Departamento de Ciências Vegetais, Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil. E.mail: glauber@ufersa.edu.br