ANÁLISE DA DINÂMICA INFLACIONÁRIA BRASILEIRA
PÓS-PLANO REAL COMO UM PROCESSO DE MEMÓRIA LONGA

Artur José. LEMONTE [1]

Themis da Costa ABENSUR[2]

Ricardo Chaves LIMA2

§     Resumo: Alguns autores têm argumentado que a dinâmica inflacionária no Brasil segue um processo de raiz unitária. De fato, Cati et al. (Journal of Applied Econometrics, 1999) mostraram que a dinâmica inflacionária no Brasil é quase totalmente inercial. Por outro lado, Reisen et al. (Studies in Nonlinear Dynamics and Econometrics, 2003) mostraram que o processo inflacionário brasileiro é livre de inércia. Nestes dois trabalhos, os autores analisaram o índice conhecido como IGP--DI (Índice Geral de Preços, Disponibilidade Interna). Neste artigo, estudamos a dinâmica inflacionária brasileira após a implementação do Plano Real em 1994, considerando o índice conhecido como IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Nós estimamos o parâmetro de diferenciação fracionária usando uma especificação ARFIMA para as taxas de inflação no país neste período (pós-Plano Real) e nossos resultados sugerem que a dinâmica inflacionária é melhor modelada por um processo de longa dependência (memória longa) do que por um mecanismo de raiz unitária, implicando a não existência de inércia na inflação pós-Plano Real.

§     PALAVRAS-CHAVE: Dinâmica inflacionária; inflação inercial; modelos ARFIMA.

 



[1] Departamento de Estatística, Universidade de São Paulo - USP, Rua do Matão, 1010, CEP: 05508-090, São Paulo, SP,  Brasil. E-mail: arturlemonte@gmail.com

[2] Departamento de Economia, Universidade Federal de Pernambuco -UFPE, CEP: 50670-901, Recife, PE, Brasil, E-mail: tabensur@gmail.com / rlima@ufpe.br